segunda-feira, 29 de julho de 2013

Normal?


A troca de olhares era surreal.
Não precisava de palavras
Um entendia o outro de uma forma natural
Pode parecer, mas isso não é amor.

As conversas era assimétricas.
As viagens por lugares jamais vistos.
Agente era bem mais que amigo.
Pode parecer, mas isso não é amor.

Agora a ficha caiu,
E eu não tenho nada mais a dizer
Agente, sei lá agora tipo nem tem nada a ver.
Isso até parecia amor.

Que horror.

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor."

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Esperado.


E eu que falava de mais, que escrevia de mais, perdi as palavras, perdi  a razão. E de repente eu não conseguia nem dizer nem escrever. Senti um frio na barriga que descia das pernas até o pé. Náo parecia borboletas no estomângo parecia fantasmas rasgando querendo machucar meu coração. Fantasmas do passado que voltaram só pra fazer o que uma vez já fez: Fuder com a minha razão. E não é bom te ver assim sem o sarcasmo ou a ironia, sem as piadas, as alegrias . Eu também já devia esperar, estava tudo muito bom e uma hora tinha que acabar. Bem vindo ao mundo real.
Autoria: Simone Cajá
"Pode copiar, mas dê créditos por favor."

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Randômico


A: Que dia é hoje?
B: Sexta - feira.
A: Foi o que pensei.
B: E o que isso tudo tem a ver?
A: Nada feche os olhos e sentirá.

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

AM




Eu grito mas ninguém pode ouvir. 
Pensando bem, é bom mesmo não ouvir.
Afinal sempre senti vergonha quando algo é relacionado a você.
Porque sem você é como se eu fosse um nada.
Ninguém nunca vai entender o quanto dói.
Mais não é a dor das marcas, mas sim dos motivos que me levam a me marcar
E como se surgisse uma esperança, a cada cicatriz.
Como se algo pudesse me salvar.
Então, quando acaba, e termina.
Desejo que todas aquelas coisas ruins voltem.
Para novamente sentir.

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor."