quarta-feira, 6 de agosto de 2014

A noite.



O tempo vai passando e aos poucos eu vou me transformando, naquilo que eu sabia que iria me transformar.  Eu só não sabia quando aconteceria e o que eu sentiria com isso tudo.

Eu acho que é hora de trocar os velhos discos, as velhas camisetas, as velhas frases feitas, de maneirar nas cervejas solitárias antes da meia noite, dos cigarros frios escondidos no banheiro.  Hora de se recompor, por que assim não dá. Estou a uma passo de um surto psicótico.  De pular do prédio. De acabar com a sorte. 

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor."

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Refazendo os planos.


Não eu não quero entender, foi tudo tão rápido, que eu não sei exatamente o que aconteceu. Era a música do momento hoje o disco não quer mais tocar. Eram vários sms na sexta para me alegrar. Isso acabou. Mas tudo também mudou. Os programas não são mais os mesmos, os amigos também não, até a família mudou. Não que eu não gosto do novo. E só que, está tão diferente, e fica difícil de acostumar.
Mas prometi não reclamar, vou mudar os planos, refazer os enganos evitando outros

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor.".

Talvez.


Talvez certas mudanças sejam necessárias.
Talvez seja positivo.
Talvez eu precise.
Talvez eu goste.
Talvez...

Eu disse talvez

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor."

Me.



E você sabia que não seria fácil fazer tantas coisas assim. Que não seria justo. Mas você foi lá e fez. E agora olhando para trás vejo quantas coisas boas consegui.  Me orgulho de mim. 

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor."

Telefonema.



Telefonemas podem mudar certas coisas.
Uma palavra também.
Atitudes mudam rotinas.

E pessoas o futuro.

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor."

Passado.



O passado pareci nunca passar, ele está aqui: remoendo, atrapalhando... E eu não quero mais. Não quero mais meu coração disparando ao te ver. Eu sei que não te amo mais, então porque diabos não consigo te esquecer

 Eu sempre disse que eu ia decidir quando parar, então para mim: CHEGA.

Autoria: Simone Cajá

"Pode copiar, mas dê créditos por favor."